Verde Claro: A cor original

Nativos da Austrália, os periquitos tem o verde claro como cor original

Acasalamento entre Lutino e Albino

Entenda as particularidades deste acasalamento

Amansando o casal

Casal em criação vem a mão em busca de pão para os filhotes

Jampa Exóticos Pet Shop

Na Paraíba, o melhor para seu Pet está na Jampa Exóticos

Calopsitas Montalioni

Aqui você encontra calopsitas mansas, anilhadas e sexadas por exame de dna.

27 de nov de 2012

Aquisição: Normal Verde Escuro

Embora em tenha preferência pelos "australianinhos", sábado passado comprei uma fêmea que parece ter alguma ascendência de periquito padrão inglês.

Bem encorpada, ombros e cabeça largos, mas sem ser "cabeçuda", essa fêmea será usada para tentar aumentar o porte de fulvos em futuros cruzamentos. Assim que chegou já demonstrou interesse pelo ninho, talvez não demore muito para ter algum resultado.



23 de nov de 2012

Novas Crias

Quatro inos e um portador de fulvo.
Finalmente nasceram todos os filhotes da lutina com o albino. Desta vez, não houve surpresar como aconteceu aqui, pois todos nasceram Inos.

Já da Verde Clara Opalina e do Fulvo Verde Claro, nasceu apenas um filhotes que foi posto no ninho na lutina para esta servir de ama-seca.

Com a Opalina livre, mas ainda "choca", coloquei os ovos da AR Verde Escura para ela chocar, pois esta fêmea estava sistematicamente comendo seus ovos depois da postura.

Nunca fiz a experiência de uma fêmea chocar duas ninhadas ininterruptas, vamos ver se a Opalina ficará até o fim.

Único portador de fulvo nascido

Casal Verde Clara Opalina e Fulvo Verde Claro
Casal lutina e albino

Casal Verde Escuro e AR Verde Escura



19 de nov de 2012

Aquisição: AD Arlequim Holandês

Quando comecei minha criação em maio, criei a meta de conseguir os três tipos de arlequins até o fim do ano, e sexta-feira passada comprei meu primeiro Arlequim Holandês ou Arlequim Dominante(AD),como é mais conhecido aqui no Brasil, conseguindo assim, fechar minha meta.

Apesar de ser uma mutação dominantes, os ADs não são encontrados com tanta facilidade como os ARs, mesmo estes sendo recessivos. Fiz amizade com o vendedor da loja e na minha pouca experiência, dei algumas instruções de como identificar um AD. Deixei fotos de ADs com ele para ajudar na identificação e assim que chegou um na loja, recebi a ligação do vendedor e fui buscá-lo.

É um jovem macho cobalto que, pela aparência, deve ter pouco mais de um mês, dois no máximo.









Veja os outros arlequins

Arlequim Recessivo - AR
Arlequim Dominante Australiano - ADA


11 de nov de 2012

Série mutações: Opalino


FA Asa Cinza Opalino Celeste
A mutação Opalino apresenta várias características que são invariavelmente presentes, embora muitos mostram variações na intensidade da sua expressão. O efeito é mais evidente nas estrias que se prolongam a partir do topo da cabeça do pescoço e de entre as asas nos normais. No Opalino estas estrias são muito reduzidas em intensidade, sendo quase ausente em muitos indivíduos, particularmente em aves pequenas de cor amarela (em oposição a amarelo) de penas. A tampa do Opalino estende ainda mais para trás ao longo do topo da cabeça, fundindo-se gradualmente para uma área da mesma cor que o corpo que continua para baixo a parte de trás da cabeça de modo a formar um "V" de forma entre as asas. A intensidade das estrias nesta área é variável, mas nas mutações originais, nomeadamente a Austrália, a 'V' era muito clara.

No normal, as asas apresentam cinzento escuro ou manchas negras sobre fundo amarelo ou branco, mas no Opalino as extremidades das penas das asas assumem a mesma cor que o corpo, em vez da cor de fundo. Este derrame da cor do corpo nas asas produz o efeito opalescente que deu o nome a mutação. A área de pigmentação preta em cada pena é reduzida e nas amostras originais as pontas das asas foram particularmente desprovida de pigmento preto, resultando em uma área clara muitas vezes chamado de "impressão digital do polegar". Essas impressões do polegar parece estar associada com um claro "V", mas agora são vistos com menos frequência.

As penas de vôo do periquito consistem de 10 primárias e 10 secundárias . Estes são cinza escuro com uma faixa clara central. No Opalino esta faixa clara está presente em todas as penas de voo e é muito mais amplo.  A retrizes primárias (a mais longa pena da cauda) do Opalino também carrega uma área bastante manchada clara de extensão um pouco variável, e o derrame de cor de corpo presente para um pequeno grau no normal é intensificada na Opalino.

A maioria dos Opalinos apresentam uma cor mais clara do que o corpo correspondente normal. Isto é devido a uma redução do teor de melanina dos bárbulas das penas de contorno .
A característica final do Opalino (e a canela ) é a cor das plumas do filhote jovem. Estes são branco em vez do cinza habitual, e isso permite que opalinos sejam identificado em uma idade muito precoce.


Padrão para os Opalinos

O Periquito opalino ”ideal” é aquele que TEM a cor do corpo nas asas, cor das costas igual a do corpo e a área dentro do “V” sem marcas escuras. Além disso, a cabeça e nuca sem estrias escuras e as retrizes primárias com uma cor sólida(sem manchas claras).

Comparações

No normal, as asas apresentam cinzento escuro ou manchas negras sobre fundo amarelo ou branco, mas no Opalino as extremidades das penas das asas assumem a mesma cor que o corpo, em vez da cor de fundo

A retriz primária apresenta uma faixa clara,  onde o "ideal", para o opalino, seria totalmente escura.

Marcação ideal de asa dos Opalinos

Nos Opalinos, a faixa clara nas asas se inicia desdes as primeiras rémiges, diferente dos normais.

História


Em 1933 o Sr. A Brown de Kilmarnock , na Escócia, criado que foi descrito como uma fêmea Cobalto "pied" de um macho azul celeste perfeitamente normal e fêmea malva. Os pais vieram de uma cepa mantidos localmente, que nunca tinha produzido nada de anormal, e Brown criados não mais do que o mutante um, apesar de o mesmo par criados Cobalts muitos em ambos os 1933 e 1935. 

No fim de 1933 o Sr. e a Sra. Ashby de perto Ayr comprou este Cobalto "pied", que descreveu como sendo "excepcionalmente grandes, com uma boa cabeça  e a maioria dos pontos excelentes", apesar de ambos os pais eram bastante medíocre. A peculiaridade do mutante era de que a cabeça, pescoço e nuca eram quase puro branco com manchas pequenas em lugares e quase todas as penas de vôo, primárias e secundárias , foram afiado com cobalto no lugar do branco, fazendo o pássaro quase um "Asa-Cobalto" . 

O mutante não foi um pied de qualquer um dos tipos de hoje (estes não foram estabelecidas em 1933), mas uma Opalina, embora a variedade não estava a ser conhecida pelo nome que teria alguns anos mais tarde.
Em 1934, a Ashby emparelhou a fêmea mutante com um verde portador de azul e nasceram azuis celestes, verdes claros e um verde escuro de uma aparência perfeitamente normal foram criados. Em 1935, um dos machos azul celeste foi acoplado de volta para a fêmea mutante, e a primeira ninhada produziu dois Opalinos machos  cobalto e uma Opalina Azul celeste. A mutação Opalina havia sido fixada.

No início de 1936 as circunstâncias forçaram o Ashby é se desfazer de todos os seus Opalinos, que na época eram conhecidos como "marmoreado", e todo o estoque, com exceção de dois pares que foram para Andy Wilson de Glasgow , foi para Walter Higham de Blackburn , sob os cuidados de seu empresário aviário, Len Hillas. A partir dessas duas vigas veio a grande maioria dos Opalinos britânicos.

Na Austrália, também em torno de 1933 (a data exata é incerta), o Sr. SE Terrill descobriu um periquito mutante, uma fêma verde clara, entre milhares de aves selvagens capturadas por caçadores e enviadas ao merdado Adelaide. Comprou, e descreveu suas características especiais, tal como "... quase completa ausência de estrias sobre a parte de trás do pescoço e do manto e da sua substituição pela cor do corpo ... a máscara se alarga para trás, para o topo da na cabeça ... as barras na asas, reduzidas em número e intensidade, as suas margens amarelas sendo muito alargada e coberta de verde. "
Sr. Terrill, que vivia perto de Adelaide, emparelhou a fêmea com um Silver Blue (o nome do australiano no momento para a variedade conhecida agora como azul celeste diluído ou branco) e foi criado três machos e uma fêmea em 1934, todos Verdes Claros na aparência. Em novembro 1935 os três machos foram emparelhados, um para a verde claro canela, um para uma cobalto e um para a sua mãe. Os dois primeiros pares produziram seis opalinos, todas fêmeas. O terceiro casal produziu vários opalinos, tanto macho como fêmeas. O nome “opalino” foi sugerido em 1936 pelo Sr. RJ Byfield de Hobart , Tasmânia, estando particularmente impressionado com a nitidez de cor apresentada por estas aves jovens no ninho. Sr. Terrill adotou o nome e depois que ele sugeriu no Boletim Budgerigar em setembro de 1936, rapidamente ganhou aceitação universal em todo o mundo.

Mas talvez nem Brown, nem o Sr. Terrill foram os primeiros a produzir um opalino. Em 1962, o Sr. J Riley de Yorkshire escreveu,  "Em 1930 ou 1931, um casal meu de  verde claro produziu uma fêmea que foi de bom tamanho e tipo com máscara e pontos que eram um sonho vivo, o único problema era que suas asas foram marmoreada e grisalho, essas marcas se estendem por volta do pássaro. " Sr. Riley manteve o pássaro e foi usado para tentar melhorar os pontos de seus verdes claros, mas aves mais "mal marcadas" apareceram. Logo depois ele descartou todos e só muito tempo depois que ele viu opalinos e percebeu que ele tinha criado primeiro e havia deixado de lado.

O Opalino apareceu mais uma vez em 1935, nos aviários de Raymaekers L, em Bruxelas . Sr. Higham importou dois  opalinos malva e uma fêmea opalina asa cinza malva do Sr. Raymaekers em 1937 e Rogers Cyril confirmou que eram a mesma mutação,  apesar de sua asas apresentarem as estrias visivelmente mais leves.

1 de nov de 2012

Um estranho no ninho

Editado em: 23/09/2013

Após sucessivos cruzamentos, confirmou-se que o macho trata-se de um Albino. 

Consultando as anotações e checando a data que o casal foi posto na mesma gaiola e a primeira postura, fica claro que a fêmea, mãe dos filhotes, conseguiu preservar o sêmen de outro macho por aproximadamente 20 dias. Algo que até então desconhecia essa possibilidade. Assim sendo, esse filhote branco não é filho no macho albino deste post.


Com a intenção de aumentar a quantidade de aves claras no plantel, juntei esse macho com uma lutino portadora de azul. Contudo, quando os filhotes nasceram, percebi através dos olhos que um deles não era Ino, pois tinha olhos escuros para um Ino e claro comparado a um normal.

No fórum do qual faço parte, cogitou-se a possibilidade desse macho ser um rendado e que esse filhote de olho escuro seria um canela, levando a crer que teria acontecido justamente o inverso do que ocorre na mutação rendada, ou seja, o canela e o ino haviam sidos separados.


Ino e diluído
Quando o filhote abriu os olhos, podemos ver que eram avermelhados, típicos de canelas quando filhotes, mas quando começaram sair as penas, achamos que o filhotes parecia muito com um COP.Contudo, as penas cresceram, podia-se ver um levíssimo tom de azul no dorso do filhote, descartando assim a possibilidade de ser um COP.

Como havia muita controvérsia, recorri mais uma vez ao Fúlvio Lucietto que é juiz da Federação Ornitológica do Brasil, e ele definiu esse macho como sendo um fulvo diluído portador de ino. Com essa definição, tudo ficou muito mais claro.  Sendo o macho um fulvo diluído/ino, justifica-se o nascimento do ino e do diluído, visto que a lutina tem a mutação diluído nos seus genes.









Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...